Amanda Moresco – Página 2 – Amanda Moresco Blog
06.07.17

Desculpa, mas essa não sou eu

Faz um tempo que venho pensando sobre minhas atitudes e sobre o caminho que realmente quero traçar. Sobre o que é certo e errado para mim; meus próprios valores e princípios. Meu próprio jeito de enfrentar um desafio ou outro, entende? Sempre procurei ter a aprovação dos que me cercam como se a opinião deles fosse uma verdade absoluta, mas faz um tempo que venho avaliando tudo isso, e hoje noto o quão cega eu era. Não quero mudar opiniões alheias, só quero dizer que essa não sou eu.

Desculpa, mas mudei meu pensamento sobre o que é normal e aceitável. Sinto que pela primeira vez na vida eu apertei – e quase soquei – o botão foda-se e comecei a nadar com meus próprios braços. Hoje aceito quem sou, onde quero chegar e como farei para conquistar isso. Hoje aceito o modo como vejo a vida e, desculpe-me, mas não vou enxergá-la com seus olhos de daltônico, porque de onde estou a vista tem mais cor e é cor-de-rosa: linda, viva, boba, fofa, charmosa e interessante. Ah, e com duas colheres de glitter, por favor! É assim que começo todas as manhãs.

Acho beleza nas flores, nos muros, no desenho que se forma na parede do meu quarto quando o sol encontra minha janela. Sinto a beleza das ruas, dos olhos jovens e embriagados, dos gritos e da euforia, da sede por mudança e aceitação. Vivo a beleza da solidão, da tristeza e das lágrimas que caem sobre meu rosto. Não, não estou deprimida, apenas descobri que tudo pelo que passo é lindo e faz parte do meu ser, da minha essência e da minha evolução.

Minha mãe sempre fala sobre como eu deitava em seu colo e dizia “mamãe, não quero crescer; quero ser criança para sempre”, e por incrível que pareça ainda lembro dessas palavras saindo da minha boca. Tão pequena, tão inocente, tão esperta. Eu sabia que a partir do momento em que eu dissesse que era adulta, tudo mudaria e, principalmente, o modo como olho o desenho da parede do meu quarto. Tenho 24 anos e não sou adulta. Sinceramente? Nunca serei.

Dizem que procurar por amor, é procurar por si mesmo. Quando você se encontra, você encontra amor, porque são a mesma coisa. Hoje eu me achei, me perdi e me achei de novo. E isso acontece todos os dias, porque essa sou eu. Indecisa, espontânea, impulsiva, alto-astral, explosiva, sorridente, sonhadora, livre, pássaro e louca da cabeça. Eu arrisco, eu mudo, eu mudo de novo se preciso. Eu sofro. Eu sofro por não criar raízes ou pelo fato de precisar criar. Eu amo e choro. Eu choro extremamente e por motivos inimagináveis. Eu sou aquela pessoa que tira fotos mentais nas ruas e ainda faz o movimento de câmera com as mãos e o barulho de clique com a boca. Enquanto cozinho, uso a colher como microfone ao som de The Black Keys e me ajoelho no chão como se fosse o maior show da minha vida. Entende? Eu não, e por isso é tão divertido.

Escrever tudo isso é como parar no meio de um cruzamento movimentado e gritar o mais alto possível; é sentir um alívio imenso e renovador. É abrir os braços e sentir a chuva escorrendo sobre meu corpo, lavando minha alma e me fazendo sorrir novamente. Quero fugir de tudo que não é meu e de tudo que não sou, e parece que finalmente consegui. Fugi das correntes que fecham minha mente e machucam minhas asas. Fugi dessa prisão para encontrar a mim mesma. Hoje eu me vejo e não preciso de espelho para isso. Hoje eu me amo.

01.07.17

2017: comentários machistas que ainda ouvimos

2017. Isso mesmo: dois mil e fucking dezessete e, apesar de toda a informação e conscientização que está havendo ao nosso redor sobre feminismo, ainda temos que ouvir muita bobagem, não apenas de homens, mas também de mulheres.

Ai, Amanda, mas eu estava brincando quando falei aquilo! Shh… apenas pare, cave um buraco e fique ali quietinho. Com o intuito de fazer a galera se ligar nesses comentários, perguntei a algumas mulheres o que elas ainda escutam em pleno 2017 que as faz revirar os olhos como a Miley aqui embaixo.

1. Você é feminista? Credo, você não se depila?
Eu sei, eu sei, é ruim, mas o pior foi ouvir isso sair da boca de uma mulher. Miga, feminismo não se resume a pernas peludas e revolta contra maquiagem. Pode se depilar? Pode! Pode não se depilar? Também pode! Pode se maquiar? Pode! E não se maquiar? Claro que pode! A questão é fazer o que você bem entender sem peso na consciência, sabe?

2. Deixa eu te ajudar a estacionar.
Alô, macho, eu nem entrei na vaga ainda e não pedi sua ajuda, então fica aí de boas enquanto te ensino a fazer essa baliza.

3. Nossa, você está braba! Tá de TPM?
Eu tô é de saco cheio de você, e não preciso estar de TPM para isso.

4.  Eu ajudo minha mulher a lavar a louça *peito estufado de orgulho*
E desde quando você está fazendo favor? Vem cá que eu vou te explicar uma coisa: não é mais do que sua obrigação.

5. Eu ficaria tão feliz se você parasse de trabalhar.
E eu ficaria tão feliz se você falasse menos… bem menos.

6. Isso aí é falta de rola.
Às vezes é falta de muita coisa! Falta de fazer uma mala, comprar uma passagem de ida, vestir um look arrasador e me mandar para longe de você!

7. Você ainda não casou?
E desde quando existe um “ainda”? Por acaso está circulando um manual com o que eu devo fazer a cada faixa etária? Na sua faixa deve estar escrito “não se meta na minha vida”.

8. Parece puta assim.
Se no seu dicionário “puta” significar mulher-bem-resolvida-com-sua-vida-sexual-e-sua-berenice, então eu sou uma puta das grandes.

20.06.17

Relatos sobre uma calcinha fio dental

Ok, partindo desse título você deve estar imaginando que lá vem bomba. E realmente vem, pois calcinha é uma coisa complicada em vários sentidos. Primeiro que ela envolve uma parte do meu corpo que eu nem sei como chamar. Se eu falo “buceta”, sou bagaceira. “Vagina” é meio correto demais. Quando falo “pepeca” me sinto como uma criança de 8 anos. Há quem dê nomes como Preciosa, Perseguida, Berenice, mas isso simplesmente não faz meu tipo.

Calcinha nunca foi uma coisa simples. Sempre prezei pelo meu conforto, ainda mais na época da adolescência em que viver já é desconfortável. Gostava – e ainda gosto – de calcinhas mais largas, pois tenho a maldita genética das “ancas largas”. Cintura fina, mas ancas largas. É só usar uma alcinha mais fininha e eu já tenho uma anca dividida em duas, como dois gomos de bergamota. Diz minha vó que ancas assim são boas para parir; eu digo que ancas assim são boas para trancar a calça jeans no meio do caminho.

Calcinha é aquele tipo de coisa essencial, mas que ninguém precisa saber que você está usando (assim como cera quente para depilar o buço). Acontece que muitas vezes todo mundo sabe a roupa íntima que você está vestindo, e você nem precisa tirar as calças para isso, pois o elástico da sua calcinha diz tudo. Eu já fui motivo de chacota em meu grupo de amigas, pois eu não tinha duas nádegas, e sim quatro. E foi aí que eu resolvi comprar meu primeiro fio dental.

Cheguei na loja de roupas e fui diretamente à sessão de roupas íntimas com o intuito de transformar minha bergamota em uma bunda consideravelmente bonita. Gente, desculpa, mas eu acho horrível a sensação de comprar calcinhas em público. Eu escolho, dou uma rápida analisada para ver se está tudo nos conformes e ponho rapidamente na bolsa de compras, pois se eu levantar a calcinha fio e admirá-la, pessoas ao meu redor darão aquela olhada do tipo “hmmm, hoje tem!”.

Quando vesti minha calcinha fio pela primeira vez, pensei “agora entendo o motivo por que minha vó usa quase um para-quedas“. É confortável e ponto! Sendo bem sincera, não vejo problemas em “desatolar” a calcinha da bunda, mas e quem tem vergonha faz como? E é sempre aquela velha história: você acha que ninguém está vendo, mas todo mundo já sacou aquela sua paradinha atrás do arbusto.

Gostando de rótulos ou não, sua calcinha fala por você. Comecei a acreditar nisso no Natal de 2014, quando minha tia resolveu dar uma calcinha a todas as sobrinhas. Minhas primas abriam os pacotes e a mulherada ia à loucura com o poder sensual que aquelas calcinhas carregavam: vermelhas, brancas, de lacinho, com renda e tudo o mais que você possa imaginar. Abri meu pacote seguindo o mesmo ritmo das outras e quando tirei a calcinha para fora, o que antes parecia uma selva virou um silêncio constrangedor. A calcinha era larga, rosa bebê, de algodão com um coraçãozinho na traseira escrito “I love you“. Segundos depois, uma de minhas primas começa a ter um surto de riso, e o que era um silêncio constrangedor se transforma na sessão vamos praticar bullying com a Amanda.

Minha tia olhou para mim e disse “é que a Amanda ainda é pura”. Até hoje me pergunto se “pura” significa “recatada e do lar” ou apenas “olha para a cara dela, óbvio que ela não transa. A última vez que viu pênis foi no livro de Biologia da escola”.

Enfim, há quem utilize apenas fio dental; há quem defenda o uso de calcinhas largas e confortáveis; há quem não use calcinha! E há pessoas, assim como eu, que usam a primeira que aparece na gaveta. Se você está contente com sua calcinha é o que importa, e se alguém reclamar é porque não conhece o tesouro que há por de baixo dela.

11.06.17

O que fazer em Flores da Cunha #3: Vinhos Monte Reale

Como vocês já sabem, estive em Flores da Cunha-RS curtindo um final de semana maravilhoso e prometi que postaria aqui os lugares que vocês devem conhecer nessa cidade super gostosa. Falamos sobre vinícola, sobre café e o assunto de hoje é mais vinícola, só porque somos da colônia e gostamos de um vinho ♡

Situada logo após o pórtico da cidade, a vinícola Monte Reale, fundada em 1972, possui uma arquitetura rústica e bela que prende seus olhos logo na entrada. Fui recebida pelo atendente, que me mostrou a vinícola inteira e explicou um pouco sobre sua história.

Vocês já entraram em uma cave? A cave é um local abaixo do solo, frio e escuro onde vinhos são armazenados, e como eu sou um tanto quanto medrosa, essa experiência foi bem tensa. O atendente notou que eu estava nervosa e disse “tá tudo bem, eu venho sempre aqui embaixo”, o que não mudou meu estado paranoico de ser. Na imagem abaixo parece ser bem iluminado, mas os sensores só ligam quando você passa por eles.

Fonte: Vinhos Monte Reale

Depois de conhecer e sentir a energia da vinícola, fomos para a parte boa: a degustação! Com uma ótima variedade de vinhos e espumantes, eu não sabia por onde começar, e como a pessoa aqui é fraca, tive que dar uma maneirada. Gostei muito do Cabernet Sauvignon da linha Valdemiz Vinhos Finos e acabei levando para casa para aproveitar esse Inverinho bom do Sul, acompanhada de mozão e Netflix.

28.05.17

O que fazer em Flores da Cunha #2: Café Insieme

Sabe aqueles lugares lindos e únicos que deixam o coração quentinho e o estômago contente? Em Flores da Cunha há um cantinho italiano realizado com muito bom gosto e sabor. Estou falando sobre o café Insieme que significa “juntos”.

Quando falo em “cantinho italiano” é porque essa é realmente a proposta do café, e cada detalhe é essencial para que isso aconteça. Na rádio só toca músicas italianas, os menus são escritos em italiano e em uma bancada é disponibilizada água em uma linda jarra com uma plaquinha dizendo “sirva-se”. Isso me chamou muito a atenção, pois quando estive na Itália a primeira coisa que recebíamos à mesa nos restaurantes era um jarra de água. Então, Insieme, você está de parabéns!

 

Na primeira página do menu, você se depara com uma linda mensagem em italiano que significa “Acreditamos que se estamos juntos a vida é mais bela, mais doce… e que caminhando juntos se chega longe”.

Com sua decoração moderna e cativante, o café Insieme te conquista pelos olhos, pelo estômago e pelo atendimento. O local é realmente especial e está no Top 3 do que fazer em Flores da Cunha – ou até mesmo na Serra inteira.

 

 

 

 

A casa oferece cafés, chás, lanchinhos doces e salgados e tudo parece ser extremamente apetitoso, mas como tenho apenas um estômago, aventurei-me em um panini que era muito maior do que eu imaginava – o que me deixou muito feliz, pois sou boa de garfo. rs

Não sou vegetariana, mas para a sorte de quem é, o Panini Vegetale é aquele tipo de lanche que ficará na memória por anos, anos, anos e anos. Recheado por diversos vegetais, você pode optar entre pão crocante ou macio, portanto, optei pela segunda opção. O que achei? Suculento, saboroso e no ponto certo.

 

Tá aí uma ótima dica para o dia dos namorados, não? Coloque seu amor debaixo do braço e bote o pé na estrada em direção a Flores da Cunha para degustar vinhos maravilhosos e se apaixonar por esse café que é puro amor.

20.05.17

O que fazer em Flores da Cunha #1: Vinícola Luiz Argenta

Vamos falar sobre aquilo que faz nossos olhinhos brilharem? Sim, o assunto de hoje é viagem! Como vocês sabem, estive me aventurando em Flores da Cunha-RS nesse final de semana, portanto, não posso deixar de registrar aqui os lugares que vocês devem conhecer quando visitarem essa cidade linda, pequena e aconchegante.

Como a cidade é famosa por suas vinícolas e a qualidade de seus produtos, logo no primeiro dia me joguei no lindo universo do vinho e visitei a vinícola Luiz Argenta, a qual possui uma vasta variedade de vinhos e espumantes que são nada mais, nada menos do que fantásticos ♡

Devido a sua arquitetura, a Luiz Argenta já recebeu o título de uma das mais belas vinícolas do mundo segundo a Revista Adega. Dá para acreditar que ela está tão pertinho de nós? Vale muitíssimo a pena dar um pulinho em Flores da Cunha fazer uma degustação, apreciar a bela paisagem de seus vinhedos e, de quebra, levar um dois, três, quatro vinho para casa.

Para realizar a degustação, um enólogo me acompanhou o momento inteiro, explicando-me sobre os vinhos, suas uvas e qualquer outra dúvida que deu na telha.

É incrível como sempre acabo viajando em dias nublados. Apesar de ser extremamente apaixonada por dia fechados e me sentir super em casa, minhas fotos sempre têm esse ar mais melancólico – o que não deixa de ser lindo. Como não sou feita de açúcar, não é uma chuvinha que vai me deixar em casa.

O passeio vale muito a pena para quem curte apreciar um vinhozinho nesse Inverno gostoso que está chegando. Contudo, Flores da Cunha não para por aí, galera! Esse foi apenas o post #1, então sintam o gostinho dessa cidade maravilhosa e preparem as malas, pois tenho certeza de que vocês vão querer passar um finde delicioso por lá ♡