Desculpa, mas essa não sou eu – Amanda Moresco
06.07.17

Desculpa, mas essa não sou eu

Faz um tempo que venho pensando sobre minhas atitudes e sobre o caminho que realmente quero traçar. Sobre o que é certo e errado para mim; meus próprios valores e princípios. Meu próprio jeito de enfrentar um desafio ou outro, entende? Sempre procurei ter a aprovação dos que me cercam como se a opinião deles fosse uma verdade absoluta, mas faz um tempo que venho avaliando tudo isso, e hoje noto o quão cega eu era. Não quero mudar opiniões alheias, só quero dizer que essa não sou eu.

Desculpa, mas mudei meu pensamento sobre o que é normal e aceitável. Sinto que pela primeira vez na vida eu apertei – e quase soquei – o botão foda-se e comecei a nadar com meus próprios braços. Hoje aceito quem sou, onde quero chegar e como farei para conquistar isso. Hoje aceito o modo como vejo a vida e, desculpe-me, mas não vou enxergá-la com seus olhos de daltônico, porque de onde estou a vista tem mais cor e é cor-de-rosa: linda, viva, boba, fofa, charmosa e interessante. Ah, e com duas colheres de glitter, por favor! É assim que começo todas as manhãs.

Acho beleza nas flores, nos muros, no desenho que se forma na parede do meu quarto quando o sol encontra minha janela. Sinto a beleza das ruas, dos olhos jovens e embriagados, dos gritos e da euforia, da sede por mudança e aceitação. Vivo a beleza da solidão, da tristeza e das lágrimas que caem sobre meu rosto. Não, não estou deprimida, apenas descobri que tudo pelo que passo é lindo e faz parte do meu ser, da minha essência e da minha evolução.

Minha mãe sempre fala sobre como eu deitava em seu colo e dizia “mamãe, não quero crescer; quero ser criança para sempre”, e por incrível que pareça ainda lembro dessas palavras saindo da minha boca. Tão pequena, tão inocente, tão esperta. Eu sabia que a partir do momento em que eu dissesse que era adulta, tudo mudaria e, principalmente, o modo como olho o desenho da parede do meu quarto. Tenho 24 anos e não sou adulta. Sinceramente? Nunca serei.

Dizem que procurar por amor, é procurar por si mesmo. Quando você se encontra, você encontra amor, porque são a mesma coisa. Hoje eu me achei, me perdi e me achei de novo. E isso acontece todos os dias, porque essa sou eu. Indecisa, espontânea, impulsiva, alto-astral, explosiva, sorridente, sonhadora, livre, pássaro e louca da cabeça. Eu arrisco, eu mudo, eu mudo de novo se preciso. Eu sofro. Eu sofro por não criar raízes ou pelo fato de precisar criar. Eu amo e choro. Eu choro extremamente e por motivos inimagináveis. Eu sou aquela pessoa que tira fotos mentais nas ruas e ainda faz o movimento de câmera com as mãos e o barulho de clique com a boca. Enquanto cozinho, uso a colher como microfone ao som de The Black Keys e me ajoelho no chão como se fosse o maior show da minha vida. Entende? Eu não, e por isso é tão divertido.

Escrever tudo isso é como parar no meio de um cruzamento movimentado e gritar o mais alto possível; é sentir um alívio imenso e renovador. É abrir os braços e sentir a chuva escorrendo sobre meu corpo, lavando minha alma e me fazendo sorrir novamente. Quero fugir de tudo que não é meu e de tudo que não sou, e parece que finalmente consegui. Fugi das correntes que fecham minha mente e machucam minhas asas. Fugi dessa prisão para encontrar a mim mesma. Hoje eu me vejo e não preciso de espelho para isso. Hoje eu me amo.

34 thoughts on “Desculpa, mas essa não sou eu

  1. Que texto MARAVILHOSO <3 <3 me vi em cada linha, sério. Quando eu era mais nova parecia um fantoche, pensava que eu tinha que ser e fazer oq os outros falavam, graças a Deus com a maturidade e rodeada de gente do bem, percebi que eu podia ser eu mesma, só precisava me conhecer de verdade. Continuo fazendo isso e olha compartilho do mesmo sentimento que você, isso é bom demais <3
    Charme-se

  2. Amanda, adorei seu texto. Vc tem 24? Baby, relax, vc tem tanta coisa pela frente ainda..mas tanta! Seja você, pois quemn gosta de vc vai te adorar de qlqwr maneira, e olha q disso eu sei.

    Um super beijo

  3. Oi Amanda, tudo bem? Que texto hein. Concordo com você, num momento das nossas vidas é realmente necessário ligar esse botão. Ficamos tanto tempo pensando na opinião alheia, no que as pessoas esperam ou pensam de nós que deixamos de fazer aquilo que é importante de verdade. Já pensei muito nisso e fiquei no meu casulo, mas hoje penso que a vida é minha, são meus sonhos, minhas metas, e quem melhor do que eu pra saber o que é bom pra mim? Concorda? Seja feliz flor. Beijos, Érika =^.^=

  4. Que sensacional!
    Essa sensação de se encontrar, de se escutar e decidir fazer por si, para si é maravilhosa. Passei por ela um tempo atrás também e a liberdade e a felicidade que a gente ganha com isso não tem preço. Somos o que somos e não o que os outros esperam que sejamos. E a melhor maneira de viver bem e feliz é aceitar isso, aceitar quem somos, quem queremos ser e correr atrás daquilo que sonhamos para nós mesmos.
    Que sua caminhada para isso seja sempre cor de rosa, cheia de flores, glitter e amores. ♥

  5. Eu amo esses textos espontâneos, onde a gente vomita tudo o que sente de uma vez só. Não te conheço, mas me senti próxima de você e isso me faz amar ainda mais a arte que é a escrita, pois ela captura a nossa essência. Espero que você continue trilhando seu caminho da forma que bem entender e que chegue onde quiser chegar. Seja feliz, se ame e nunca deixe de mudar quando sentir necessidade.

    Me chama de Bella

  6. “apenas descobri que tudo pelo que passo é lindo e faz parte do meu ser, da minha essência e da minha evolução.” Guria, tu quase me fez chorar com esse texto maravilhoso! Me identifiquei em cada linha dele, em cada frase, cada expressão. <3